Victor Rafael Limeira da Silva (UFBA)

Título: UM NATURALISTA ENTRE OS UAUPÉS: A ETNOGRAFIA DE ALFRED RUSSEL WALLACE, A ETNOLOGIA AMAZÔNICA E A EMERGÊNCIA DAS CIÊNCIAS DO HOMEM
 
Discente: Victor Rafael Limeira da Silva
Orientadora: Fernanda Rebelo Pinto
Debatedor: Juan Manuel Sánchez Arteaga
 
Resumo: Entre 1848 e 1852 o naturalista inglês Alfred Russel Wallace viajou e coletou pela bacia amazônica brasileira. Antes das duas expedições subindo o Rio Uaupés, Wallace percebeu que a região não seria promissora para espécimes entomológicas e botânicas tais como o baixo Amazonas, o Pará e o Tocantins haviam sido. A motivação para empreender as duas expedições teria residido muito menos na busca por insetos, plantas ou pássaros que o tornaram famoso como coautor da teoria da evolução com Charles Darwin, do que em um encontro que desejava há muito ter com os indígenas do Uaupés. Wallace coletou e registrou vocabulários, moral, constituição física, cerimônias, comprou e ganhou vestimentas, utensílios domésticos, ferramentas, e atuou junto aos melhores caçadores e remadores para buscar espécies nas serras do extremo norte amazônico. A pesquisa que ora apresentamos tem como objeto de estudo a interação de Wallace com as famílias indígenas Tukano e Arwák, e a subsequente produção científica que demandou os dados etnográficos e o conhecimento adquirido pelo naturalista com os nativos uaupesinos. Buscamos contribuir para a história das dimensões etnográfica e etnológica dessa viagem, e consequentemente para a história do diálogo de Wallace com os nascentes campos científicos interessados no estudo do ser humano. Objetivamos analisar os esquemas classificatório e descritivo aplicados por Wallace na produção sobre grupos do alto Rio Negro, tendo em vista questionar em que medida corroborava com ideias anteriores de "uniformidade” (baseadas no sistema de tutela indígena) ou com as novas noções de "diversidade” (valorizadas pela Etnologia e Antropologia), fundamentais para entender particularidades de seu pensamento sobre tópicos como raça, espécie, civilização e progresso social. Visamos ainda problematizar a inserção dos estudos etnográficos de Wallace sobre os Tukano e Arwák no contexto da invenção do homem, em seus variados aspectos, como objeto de investigação científica no século XIX.