Marcelo Silva de Carvalho Delfino (UFBA)

Título: UMA HISTÓRIA DA BIOLOGIA NO CINEMA EDUCATIVO - UM RECORTE DA ERA VARGAS (1930-1945)
 
Discente: Marcelo Silva de Carvalho Delfino
Orientador: Indianara Lima Silva
Debatedor: André Luis Mattedi Dias
 
Resumo: A partir de 1930, as alterações políticas que ocorreram com a chegada de Getúlio Vargas ao poder formaram o plano de fundo para a continuidade das ações de desenvolvimento e divulgação da ciência no Brasil. Assim, localizado no rol de iniciativas que visavam divulgar a ciência para a população brasileira, o cinema educativo possui uma trajetória marcada pela confluência entre temas da ciência, da educação e da política na primeira metade do século XX. O Instituto Nacional de Cinema Educativo (INCE), maior instituição nacional voltada ao tema e, por consequência, central nessa pesquisa, foi fundado em 1936 com finalidade de produzir filmes educativos, os quais objetivariam propósitos educacionais e de instrução da população acerca de temas considerados de interesse ao desenvolvimento do país e de seu povo.  Dentre esses temas, destacam-se os relacionados à ciência e suas diferentes disciplinas. Antes da inauguração do INCE, iniciativas de divulgação da ciência e educação da população pelo cinema já eram ensaiadas e colocadas em prática, como por exemplo em escolas públicas no Distrito Federal e outras localidades, impulsionadas pela reforma educacional de Fernando de Azevedo (1926) e nos salões do Museu Nacional, através do Serviço de Assistência à Educação, fundado em 1927. A disciplina Biologia, hoje termo unificado em relação à pratica e construção de conhecimentos sobre as ciências da vida, naquele momento fortalecia-se composto por vertentes de conhecimento com certa separação prática e epistemológica, como zoologia e botânica (componentes da História Natural), fisiologia, anatomia, citologia, entre outros. A estruturação do termo 'Biologia' no currículo nacional, que se consolidaria apenas na década de 1960, contudo, não significa que os conhecimentos desse campo fossem subvalorizados na expansão científica brasileira do início do século XX. Ao contrário, naturalistas e biólogos tiveram papel de destaque na organização educacional e científica brasileira, atuando ativamente em prol de um objetivo desenvolvimentista. A importância das ciências médicas na organização e expansão das cidades só reforçava esse destaque, inclusive com importantes institutos sendo criados no início do século, como o instituto Butantã (1899) e o Instituto Soroterápico Federal (posterior Fundação Osvaldo Cruz) em 1900, que inclusive tiveram papel de destaque na produção de filmes científicos. Neste ínterim, o projeto visa analisar filmes educativos do período 30-45, com grande foco nos filmes do INCE, buscando compreender a concepção de biologia passada e utilizada na construção dos mesmos. Serão analisados 8 filmes desse período que visem levar ao público conhecimentos das ciências biológicas. Em complemento, estão sendo analisados documentos sobre biólogos, naturalistas, educadores e outros atores e instituições envolvidos no projeto científico-educativo que esteve na base da produção dos filmes educativos do período. Tais documentos foram encontrados nas Seção de Memória e Arquivo do Museu Nacional, no arquivo do CPDOC da Fundação Getúlio Vargas, no acervo da Funarte no Rio de Janeiro e no arquivo da Academia Brasileira de Letras.